Previous Próximo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
Banner site Incubadora esportes ...
Cartilha ...
Conheça o Parque Agroecológico ...

Comunidades Produtivas – Economia orgânica, criativa e sustentável

  • PDF

 

Com apoio da Vale, o Formação – Centro de Apoio a Educação Básica concebeu e desenvolve o Projeto Comunidades Produtivas, através de sua metodologia de incubação de ideias.

A concepção foi feita no ano de 2014 e em 2016 esse projeto teve uma formatação mais estruturante visando o fortalecimento do que se entende como comunidades autossustentáveis, a partir de seus insumos e da inteligência local potencializada.

O que entendemos como comunidade produtiva, economia orgânica, economia criativa e economia sustentável?

- Comunidade Produtiva – a partir da ideia de que vizinhos mobilizados podem empreender, desenvolver projetos/negócios de produção local em modelos sustentáveis, criativos, sociais e solidários.

- Economia Orgânica – não apenas aquela associada à produção orgânica de alimentos, mas àquela que potencializa o desenvolvimento local a partir de potencialidades próprias, insumos e sujeitos do território a ser desenvolvido.

- Economia Criativa - vinculada à ideia dos negócios criativos, mas também daquela que com o olhar filosófico e para além do horizonte dos proponentes se desenvolve  produtos e negócios que contribuem para o desenvolvimento de lugares de vida saudável e interativa.

- Economia Sustentável – não apenas aquela que é pensada e voltada para a sustentabilidade ambiental e da ecologia humana, mas também que possibilita a sustentabilidade do negócio e da família.


No ano de 2016 com apoio da Vale o Projeto Comunidade Produtiva, como guarda chuva, incubou três negócios orgânicos em comunidades com baixos indicadores sociais e famílias em condições de vulnerabilidade econômica. O Projeto Ateliê Maruai, o Projeto Circuito de Criação de Aves de Jacu e o Projeto Circuito de Alimentos de Moita.

 

Os Planos de Desenvolvimento de Negócio foram elaborados para cada um desses projetos. Por exemplo, em Maruai foi elaborado em conjunto com as mulheres e lideranças da comunidade, com o objetivo de consolidar o negócio criativo de concepção e confecção da Moda Maruai. A definição da área desse negócio pela comunidade deveu-se ao fato de alguns moradores e lideranças locais estarem participando de um projeto de customização de sandálias, apoiado pela Vale e desenvolvido pela ONG Nave  e desejarem continuar nesse campo da economia criativa com atividades artesanais e, ao mesmo tempo, desenvolver atividades que gerassem renda.

Assim as primeiras ideias do negócio foram definidas a partir de levantamento de possibilidades: customização de sandálias, ateliê, entre outras. Após diálogos contínuos, programas de formação, investimentos iniciais e alguns experimentos as pessoas envolvidas no projeto definiram como foco do negócio o Ateliê.

O resultado dessa ação em parceria (comunidade, Vale e Formação) gerou este negócio que ainda está em fase de consolidação. A expectativa é que até o final de 2017 moradores de Maruai aprimorem aprendizados de produção e gestão na área de concepção e produção; o de moda produzidos de forma artesanal e comunitária e se envolvam em uma rede de comercio justo denominada Rede Comunidade Produtiva, que continuará a ser fomentada pela Incubadora de Projetos do FCAEB, até 2020.

A expectativa das moradoras (mulheres vizinhas empreendedoras de Maruai), é que com a continuidade do apoio estarão cada vez mais fortalecidas para a gestão do empreendimento/negócio. Para o grupo, o projeto desenvolvido poderá ser exitoso se mantiver:

  1. O espírito da produção comunitária, com lideranças sendo revezadas de forma democrática.
  2. O foco em cumprir as metas e as encomendas feitas, sem perder a criatividade e o desejo de criar, mas também de atender demandas mais simples que constituem o alimento diário do negócio.
  3. Manter os clientes conscientes de que o negócio nasce de uma ação de vizinhos, de forma comunitária e solidária, que decidem gerar renda para suas famílias a partir de seus próprios talentos, com o uso de suas capacidades e mãos que transformam tecidos em peças de vestuário.
  4. Contato com clientes próximos (comunidades arredores) que poderão ser contemplados com uma confecção simples (ou mais sofisticadas), mas bem feita e que agregue como valor o trabalho comunitário - sem exploração.
  5. Contato com clientes externos (ainda a serem conquistados).

Os participantes do projeto sabem que apesar de todas as dificuldades que enfrentam, em geral, toda comunidade tem um potencial econômico a ser desenvolvido.

Última atualização em Qui, 18 de Maio de 2017 15:00

MULTIMÍDIAS

Parceiros

You are here formação.org.br